Mudança de dentro para fora

Cantora, criativa e empresária, Preta Gil, é símbolo de representatividade para várias causas

Taís Farias Ribeiro

Nascida no meio artístico, Preta Gil experimentou desde cedo o peso de ser uma influenciadora para sua geração. A cantora, criativa e empresária já era símbolo de representatividade para várias causas quando a diversidade ainda estava longe da pauta. Desde os 16 anos, Preta atua no mercado publicitário. É sócia de Fátima Pissara, Carlos Scappini, Fabiano Pierri, Malu Barbosa e Marcello Azevedo na agência Mynd. Preta analisa os avanços da comunicação em relação à diversidade e o papel dos influenciadores nessa transformação.

Meio & Mensagem — Como você se relaciona com o marketing de influência? Se enxerga como influenciadora?
Preta Gil — Hoje em dia, sim. Todo mundo é um influenciador, qualquer pessoa, seja você um motorista de táxi, uma cozinheira, uma médica. É uma questão inerente a você ser alguém, com relevância na internet ou não. Para mim, todo mundo é influenciador. Você influencia sua prima a usar um batom, a estudar ou comprar uma roupa. Isso no seu grupo de família, nas suas reuniões familiares ou no Instagram, palco, consultório, agência. Por isso, a valorização dos microinfluenciadores. Me considero influenciadora há muitos anos e, de forma oficial, no que diz respeito às marcas e patrocinadores, de um tempo para cá. Mas o meu jeito de ser, há uns dez anos, era muito mal visto pelas marcas e demorei muito para que elas entendessem, me respeitassem e aceitassem. Isso, hoje em dia, é muito valorizado.

M&M — Você sempre foi um símbolo de diversidade e representatividade em várias causas. Quais foram os desafios e as oportunidades que isso te trouxe?
Preta — O maior desafio é você se manter íntegra no que acredita. Foi muito difícil, quando comecei a carreira, a enxurrada de preconceito que passei ao defender a minha existência. O fato de eu ser uma mulher negra, gorda, bissexual. Ao me defender, com o passar do tempo, entendi que estava defendendo outras pessoas. Elas chegavam até mim e falavam “Eu li aquela sua entrevista e você me representa”. Quando entendi que a defesa da minha existência passou a ser representatividade, ficou ainda mais latente que eu deveria ser fiel a mim mesma. O desafio é não se corromper no meio disso tudo, não se enquadrar à sociedade e à mídia. A indústria de consumo, muitas vezes, quer padronizar todo mundo. Inclusive, falhei algumas vezes. Tentei, sim, me padronizar. Tentei emagrecer porque todo mundo dizia que mulher gorda não era feliz, não servia para nada na sociedade. Mulher gorda não era amada, não era consumida, respeitada. Tentei e percebi que esse não era o caminho. O caminho é a gente ser quem é e nós vamos encontrar na vida parceiros e aliados que vão nos amar e pessoas que não.

M&M — Quais foram as principais mudanças em relação à diversidade no mercado publicitário?
Preta — É uma mudança muito importante. Estou no mercado publicitário há 27 anos. Comecei aos 16 anos na DM9 e, de lá para cá, nunca saí. Trabalhei em agência, tive minha própria produtora de filmes publicitários, virei cantora e, agora, sou sócia da Fátima, na Mynd. É uma mudança muito latente e incrível, mas que ainda está nos seus primeiros passos. Muitas marcas ainda não têm coragem de entender que a diversidade e a inclusão são o único caminho. Mas muitas já se comprometeram arduamente com essa inclusão e isso é bonito de ver. É muito significativo. Nossa publicidade sempre foi um espelho da sociedade, e a sociedade abriu esse espaço para discussão, especialmente, pela luta dessas ditas minorias que, para mim, sempre foram maiorias. O mercado entendeu isso e está tentando correr atrás, de fazer uma reparação histórica com algumas comunidades, a negra, a LGBTQIA+ e com as mulheres. A questão do machismo na publicidade e da equidade também é uma coisa que tem acontecido. Mas isso se dá muito por uma luta de indivíduos e de coletivos que estão se impondo, muito por conta da internet. Cobrando representatividade, espaço, respeito e muitas marcas têm escutado a voz da população.

M&M — Qual é a importância dos influenciadores para a representatividade e diversidade?
Preta — Duas coisas são muito importantes. Não adianta você ser um influenciador sem ter relevância e visibilidade, porque você acaba se comunicando com pouca gente. É importante que as marcas entendam a importância dessas pessoas porque elas simbolizam e significam as pessoas reais. Não sei em que momento se estipulou que existe um só tipo de pessoa. A sociedade é feita do patriarcado heteronormativo e assim foi sendo construída toda a publicidade num País absolutamente miscigenado, com população negra enorme. E, aí, esses microinfluenciadores e influenciadores começaram a aparecer e as marcas entenderam que era importante se comunicar com o público através dessas pessoas. Estamos sofrendo uma mudança radical na comunicação, com novas gerações acessando muito mais a internet do que a televisão, por exemplo. Influenciadores são peças importantíssimas nessa mudança porque acabam sendo nossos novos garotos-propaganda. Para uma marca, encontrar pessoas que representem o que ela quer passar de mensagem é muito importante e isso está no micro, no médio e aliado a grandes nomes. É uma composição que se tem que fazer para cobrir todos os campos.

“Quando entendi que a defesa da minha existência passou a ser representatividade, ficou ainda mais latente que eu deveria ser fiel a mim mesma”

M&M — Como a Mynd e outras agências têm atuado para mudar esse cenário e levar mais diversidade?
Preta — Não é fácil. Você pode cair de múltiplos jeitos. Muitas vezes, pela boa intenção de querer falar com o público da forma mais diversa, você pode acabar errando. É importante ter alguém que tenha a diversidade no seu DNA. Não posso fazer campanha para a comunidade LGBTQIA+ escrita por um hétero, isso não é o certo, a probabilidade de você errar é muito grande. Ou querer fazer uma campanha para comunidade negra sem ter dentro da sua redação uma pessoa negra que leia e possa falar “Não é dessa forma que a gente quer ser impactado ou representado”. Não existe nenhum outro caminho a não ser o caminho de levar a diversidade para dentro das agências, das empresas. Não adianta querer falar sobre diversidade, contratar uma agência que fale sobre isso e achar que está bem. Não, você precisa olhar para o seu próprio umbigo. Quero falar sobre diversidade, inclusão, mas tenho que olhar para o meu umbigo e para o lado. Tenho LGTQIA+ dentro da minha empresa? Tenho pessoas trans? Pessoas negras? E isso a Mynd provoca. Tem isso no DNA e fazemos labs com marcas para que elas compreendam e tragam isso para dentro das suas empresas. Não só contratem ou façam campanhas esporádicas com esse briefing, mas que, de fato, essa mudança aconteça internamente.

M&M — Qual é o papel do meio artístico para impulsionar a diversidade?
Preta — A arte é pensada a partir de sua natureza. Se não é assim, é marketing. Se você planeja, se você faz de uma forma pensada, isso não é arte. Arte é arte. É pura, livre. E, aí, em algum momento, alguém pode sentir uma sinergia com a sua arte, com seu jeito de ser, com a sua liberdade, com seu posicionamento, enfim, com a maneira que você é. E, quando isso acontece, a Mynd está aqui para juntar essas potências, preservando sempre a essência desse artista. Queremos que essa sinergia se dê naturalmente. É por isso que temos um casting tão múltiplo e diverso. E foi assim que se deu, inclusive, o nascimento da minha sociedade com a Fátima. Na apresentação de uma campanha, de uma marca que queria me patrocinar, que chegou com vários influenciadores e eu observei que nenhum deles tinha sinergia com a minha energia e com o que o cliente queria. Aquelas pessoas podiam, inclusive, atrapalhar a comunicação. Apresentei outros nomes e, dali, Fátima falou “Vamos fazer isso profissionalmente”. Não é uma maquiagem. A mudança tem que ser de dentro para fora.

Compartilhe

Publicidade
Publicidade

Patrocínio